História

Fundada em 1997 por comerciantes de Cachoeiro de Itapemirim, a CREDSUL atua hoje com atendimento e serviços diferenciados para proporcionar maior qualidade de vida aos cooperados. No cooperativismo a sua adesão é livre e voluntária, onde cada cooperado tem participação efetiva na distribuição de sobras e na remuneração de seu capital, sempre buscando capacitação, educação, formação de seus cooperados e familiares, interagindo diretamente com a comunidade.

Temos como objetivo, estabelecer instrumentos que possibilitem o acesso ao crédito e a outros produtos financeiros pelos associados. Despertar no associado o sentido de poupança. Promover maior integração entre os empregados de uma mesma empresa, entre profissionais de uma mesma categoria e entre micro e pequenos empresários, desenvolvendo espírito de grupo, solidariedade e ajuda mútua.

Missão

MISSÃO
Contribuir com o desenvolvimento econômico, social e cultural dos cooperados.

VISÃO
Ser reconhecida como referência em Sociedade Cooperativista de caráter econômico, social e educativo.

VALORES
Responsabilidade Social
Transparência
Credibilidade
Ética
Sigilo Financeiro
Profissionalismo
Cooperação

Associe-se

Veja as vantagens de ser associado à CREDSUL:

A cooperativa pode ser dirigida e controlada pelos próprios associados em eleições participativas sem distinção do seu poder econômico.

- Retenção e aplicação dos recursos de poupança e renda no próprio município, contribuindo com o desenvolvimento local

- Acesso de pequenos empreendedores ao crédito, poupança e outros serviços bancários

- Menor custo operacional em relação aos bancos

- Atendimento personalizado

- Crédito imediato e adequado às condições dos associados(valor, carência, amortização, etc)

- Facilidade na abertura de contas

- Oportunidade de maior rendimento nas aplicações financeiras

- Possibilidade dos associados se beneficiarem da distribuição de sobras ou excedentes

 

Diferenças em relação aos bancos:

- Participam voluntariamente do fundo Garantidor

- Cada sistema cooperativo tem o seu. Há cooperativas que não participam

- Tem isenção de alguns tributos (Ato Cooperativo)

- Não possui fins lucrativos (princípio de sobras)

- Todos os associados são de clientes e proprietários (gestão democrática)

- Todos os associados participam da distribuição das sobras e das perdas

 

Cooperativismo

Estes princípios serviram de base à doutrina cooperativista, e, pela sua ênfase nos aspectos das relações entre sócios, assim como, pela estrutura de poder formal por eles determinada, fazem com que as cooperativas se diferenciem substancialmente das empresas tradicionais. Enquanto que, em uma empresa tradicional, o poder está determinado pelo capital através do número de ações de cada um dos sócios, nas cooperativas a cada sócio corresponde um voto, independentemente do capital por ele aportado à empresa. Esta relação de poder formal faz com que os papéis desempenhados pelos sócios de uma cooperativa sejam diferentes daqueles que encontramos em uma empresa tradicional.

Nas cooperativas todos são, ao mesmo tempo, sócios, fornecedores, clientes e, às vezes, empregados, e isto, independente da modalidade cooperativa, sendo o que se observará no cooperativismo de crédito e na sua estrutura funcional.

1º PRINCÍPIO: ADESÃO VOLUNTÁRIA E LIVRE

As cooperativas são organizações voluntárias, abertas a todas as pessoas aptas a utilizar os seus serviços e dispostas a assumir as responsabilidades como membros, sem discriminações de sexo, sociais, raciais, políticas ou religiosas.

2º PRINCÍPIO: GESTÃO DEMOCRÁTICA PELOS MEMBROS

As cooperativas são organizações democráticas controladas pelos seus membros, que participam ativamente na formulação das suas políticas e na tomada de decisões. Os homens e as mulheres eleitos como representantes dos outros membros são responsáveis perante estes. Nas cooperativas de primeiro grau os membros têm igual direito de voto (um membro, um voto), e as cooperativas de grau superior (federações, centrais, confederações) são também organizadas de forma democrática.

3º PRINCÍPIO: PARTICIPAÇÃO ECONÔMICA DOS MEMBROS

Os membros contribuem equitativamente para o capital das suas cooperativas e controlam-no democraticamente. Pelo menos parte desse capital é, normalmente, propriedade comum da cooperativa. Os membros recebem, habitualmente, e se houver uma remuneração limitada ao capital subscrito como condição da sua adesão. Os membros afetam os excedentes a um ou mais dos seguintes objetivos: desenvolvimento das suas cooperativas, eventualmente através da criação de reservas, parte das quais, pelo menos, será indivisível; benefício dos membros na proporção das suas transações com a cooperativa; apoio a outras atividades aprovadas pelos membros.

4º PRINCÍPIO: AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA

As cooperativas são organizações autônomas, de ajuda mútua, controladas pelos seus membros. Se estas firmarem acordos com outras organizações, incluindo instituições públicas ou recorrerem à capital externo, devem fazê-lo em condições que assegurem o controle democrático pelos seus membros e mantenham a autonomia das cooperativas.

5º PRINCÍPIO: EDUCAÇÃO, FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO

As cooperativas promovem a educação e a formação dos seus membros, dos representantes eleitos, dos dirigentes e dos trabalhadores de forma a que estes possam contribuir, eficazmente, para o desenvolvimento das suas cooperativas. Informam o público em geral - particularmente os jovens e os formadores de opinião - sobre a natureza e as vantagens da cooperação.

6º PRINCÍPIO: INTERCOOPERAÇÃO

As cooperativas servem de forma mais eficaz os seus membros e dão mais força ao movimento cooperativo, trabalhando em conjunto, através das estruturas locais, regionais, nacionais e internacionais.

7º PRINCÍPIO: INTERESSE PELA COMUNIDADE

As cooperativas trabalham para o desenvolvimento sustentado das suas comunidades através de políticas aprovadas pelos membros.

Estatuto

Para visualizar o nosso Estatuto, clique no link abaixo:

Clique para ver o Estatuto